LUIZ BALTAR

Fluxos - Paisagens Mutantes
Curadoria Marcia Mello

Luiz Baltar é formado em Gravura pela Escola de Belas Artes/UFRJ, em fotografia pela Escola de Fotógrafos Populares e pós-graduando em fotografia e imagens pela Universidade Cândido Mendes. Trabalha como fotógrafo documentarista e desenvolve projetos autorais no campo da arte contemporânea. Acredita na fotografia como forma de expressão ativista e crítica, daí sua busca em estabelecer um diálogo entre fotografia e questões sociais, sobretudo no que diz respeito ao olhar sobre a cidade.

Para Marcia Mello, curadora da expo: “Baltar faz de sua arte um movimento em que o pensar e o sentir se integram no olhar, deslocando nossos sentidos e nossas experiências. Propõe um novo modo de olhar a cidade para compreendê-la em sua dimensão alteritária onde cada existência humana é única e singular ao mesmo tempo em que é plural e coletiva.

Ganhador dos principais prêmios de fotografia do ano de 2015 (Prêmio Conrado Wessel e Prêmio Brasil), o percurso de Luiz Baltar inicia-se na Escola de Fotógrafos Populares da Maré oito anos antes. Seu trabalho singulariza-se quando começa a documentar seu caminho de casa para o trabalho – com o celular – todos os dias de dentro do ônibus. Nas etapas seguintes, esse trajeto é compilado numa única imagem em formato panorâmico sem a preocupação de refazer de forma literal os locais por onde passa. A série FLUXOS incorpora repetições e cria espaços inusitados em preto e branco. Dessa forma, abre janelas para espaços e tempos alternativos sem perder as principais referências da cidade. A paisagem vista por quem transita nas vias expressas é redesenhada através do ritmo obtido, uma crônica visual do cotidiano de muitos cariocas.

“ As paisagens que correm pela janela não tem fronteiras nem limites, são um fluxo constante de instantâneos. Não existe pausa, apenas movimentos lentos antes de uma nova aceleração. O ato de fotografar acompanha a imprevisibilidade de deslocamento no trânsito pela cidade.” LUIZ BALTAR

O fotógrafo tem participado regularmente de exposições coletivas no Brasil e no exterior (Alemanha, Argentina, Áustria, Espanha, Estados Unidos, Franca, Inglaterra, Suíça e Uruguai) e sua obra foi recentemente incorporada aos acervos do Museu de Arte Moderna do Rio (MAM) e Museu de Arte do Rio (MAR) e na Maison Européenne de la Photographie (Paris).

Paço Imperial
Praça XV de Novembro, 48
Centro - Rio de Janeiro
55 21 2215 2093
 
De terça a domingo, das 12 às 19h
Entrada Franca

Bistrô do Paço
De segunda a sexta, das 11h às 19h30
Sábados, domingos e feriados, das 12h às 19h
 
Restaurante Arlequim
De segunda a sexta, das 10h às 20h
Sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h