PAULO LAPORT

Pinturas 1992 | 2018
Curadoria Paulo Venancio Filho

Paulo Laport inicia seu trabalho na década de 60, um dos períodos de maior intensidade e experimentação artística no Brasil, em especial no Rio de Janeiro. Portanto, faz parte de uma geração de importantes artistas, embora de pouco pintores. Talvez isso explique como um pintor da sua sensibilidade pictórica tenha ficado um tanto à sombra, admirado e reconhecido por poucos. Sua produção, desde o início, elaborada e meticulosa, vem desde então experimentando as possibilidades da linguagem abstrata. Sua abstração ora se aproxima da estética minimalista, ora de um gestualismo expressionista e também de certo sentimento construtivo, sem que se possa colocá-lo em qualquer dessas tendências. Pode-se dizer que o espaço de sua pintura (e do seu desenho) é a contemporaneidade, embora marcado por uma forte reflexidade moderna. Quer dizer; Laport pratica uma pintura aberta e dirigida à experimentação, mas sempre enfrentando, atualizando e mesmo divergindo dos elementos modernos da abstração. Daí ser um pintor de uma originalidade pouco comum no ambiente artístico brasileiro. Originalidade que chamou a atenção de galeristas de Nova Iorque, onde expôs mais de uma vez. Mesmo tendo uma trajetória artística discreta e pontual – sempre foi um artista independente, sem nunca fazer parte de qualquer grupo ou tendência -, Laport chegou a participar de importantes exposições internacionais, como na Seléction FAE, no Musée D’arte Contemporain da Suíça, ao lado de Jasper Johns, Donald Judd, Anish Kapoor, Jannis Kounellis, Robert Ryman e outros nomes significativos da arte contemporânea. Foi também vencedor de diversos salões de gravura e pintura na década de 70 e 80, o que mostra a facilidade técnica com que domina várias mídias, o que se mostra de maneira mais clara e veemente nas suas pinturas. Pouco conhecido do grande publico, embora tenha uma produção regular e de inequívoca qualidade artística, terá aqui suas obras reunidas pela primeira vez de maneira ampla e articulada, o que será para muitos uma revelação de excepcional intensidade artística.

Paulo Venancio Filho, 2018

Paço Imperial
Praça XV de Novembro, 48
Centro - Rio de Janeiro
55 21 2215 2093
 
De terça a domingo, das 12 às 19h
Entrada Franca

Bistrô do Paço
De segunda a sexta, das 11h às 19h30
Sábados, domingos e feriados, das 12h às 19h
 
Restaurante Arlequim
De segunda a sexta, das 10h às 20h
Sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h